Através deste artigo, pretendo falar sobre o papel das bactérias na cura das doenças segundo a Medicina Germânica Heilkunde.

Primeiramente, vou falar sobre fatores históricos em relação ao que consideravam ser a função de células cancerosas, microrganismos, bactérias e vírus, em nosso organismo.

Nos séculos XVII e XVIII, os tumores eram considerados “materiais mórbidos”, que se não fossem excretados, poderiam se acumular, tornando-se “malignos” e causando a morte se espalhassem para outras áreas do corpo. 

Quando se pensava que o câncer havia se espalhado de um órgão para outro, era chamado de “metástase”. Terapias médicas, como punção, sangramento e envenenamento foram aplicados para ajudar a drenagem das “substâncias mortais”.

No século XIX, os microrganismos foram incluídos no catálogo de “materiais mórbidos” e a teoria do germe de Pasteur tornou-se o fundamento lógico predominante que apoiava a teoria da metástase. 

No século XX, células cancerosas supostamente mutantes e nocivas foram adicionadas à lista, juntando-se às bactérias, fungos e vírus como agentes causadores de doenças.

Na medicina atual, ainda se presume que as células cancerosas e os micróbios agem contra o organismo humano. Até hoje, acredita-se que o corpo humano esteja em guerra contra as forças do mal que tentam prejudicá-lo e destruí-lo.

As bactérias segundo a Medicina Germânica Heilkunde

Qual é o papel das bactérias na cura das doenças?

Segundo a Medicina Germânica Heilkunde, as bactérias (exceto Mycobacterium Tuberculosis) atuam principalmente em órgãos e tecidos que se originam do mesoderma novo (controlado pela medula cerebral).

Durante o processo de cicatrização, as bactérias ajudam a repor a perda de tecido que ocorreu na fase de conflito ativo. 

A maioria das bactérias é especializada como:

  • As bactérias Staphylococcus, por exemplo, auxiliam na reconstrução do tecido ósseo; 
  • A bactéria Estreptococo ajuda a reconstruir as necroses do tecido nos ovários.

No PCL-A, as bactérias formam abscessos. As bactérias também participam da cicatrização de feridas causadas por ferimentos. 

O que distingue as bactérias é sua função de sobreposição. Por exemplo, quando fungos e Mycobacterium Tuberculosis estão ausentes em órgãos mesodérmicos antigos, como as glândulas mamárias ou a derme, outras bactérias intervêm para remover as células adicionais que não são mais necessárias.

Nos órgãos ectodérmicos, as bactérias ajudam a restaurar a perda celular, como por exemplo:

  • A bactéria Streptococcus auxilia na cura da garganta;
  • A bactéria Pneumococo restaura a mucosa brônquica; 
  • A bactéria Gonococo atua na área urogenital; 
  • A Helicobacter Pylori repara o estômago e o revestimento do piloro. 

Isso, entretanto, só acontece quando a ulceração na fase de conflito ativo atinge profundamente o tecido. Caso contrário, o processo de cura ocorre sem micróbios.

Com uma fase de cicatrização intensa, o trabalho bacteriano é acompanhado de febre alta.

Se as bactérias não estiverem disponíveis, a cura ainda ocorre, embora não de forma biológica ideal.

Os fungos e micobactérias são os microrganismos mais antigos. Eles, portanto, atuam exclusivamente em órgãos e tecidos que se originam do endoderma (controlado do tronco encefálico) e do mesoderma antigo (controlado do cerebelo).

Conclusão

Espero que você tenha entendido sobre papel das bactérias na cura das doenças segundo a nova medicina.

Considerou o artigo útil? Compartilhe esse artigo para que possamos ajudar mais pessoas a terem conhecimento sobre a Medicina Germânica Heilkunde.

>>> Garanta agora mesmo: Guia definitivo da Medicina Germânica Heilkunde

Este blog é apenas um blog educativo. As informações e serviços aqui contidos não devem ser interpretados como um diagnóstico, tratamento, prescrição ou cura para a doença. Aqueles que buscam tratamento para uma doença específica devem consultar seu médico para determinar o protocolo de tratamento adequado, correto e aceito antes de usar qualquer coisa que é divulgado nesta página. O material referenciado acima reflete a convicção sincera da Dra. Marina Bernardi sobre esta nova medicina.