Cistite pela nova medicina

Através deste artigo, falarei sobre a Cistite ou infecção da bexiga, como é comumente chamada, pela visão da Medicina Germânica Heilkunde.

A bexiga é um órgão muscular oco, onde a urina recebida da pelve renal e dos ureteres é temporariamente armazenada. A urina sai da bexiga pela uretra. A parede interna da uretra é dotada de músculos lisos e estriados. 

Como os músculos intestinais que movem o “pedaço de comida” ao longo do canal intestinal por meio do movimento peristáltico, o músculo liso da uretra facilita o fluxo e a eliminação do “pedaço de urina”. 

O revestimento da bexiga e da uretra consiste de epitélio escamoso, origina-se do ectoderma, com isso, é controlado a partir do córtex cerebral.

Conforme descoberta de Dr.Hamer, a maioria das doenças se origina de um conflito biológico, que é um evento inesperado, traumático e vivido em solidão que ocorre na vida de uma pessoa.

Qual é o conflito biológico relacionado a Cistite (infecção da bexiga)?

O que é Cistite pela Medicina Germânica Heilkunde?

O conflito biológico ligado à mucosa da bexiga e uretra é um conflito de marcação territorial, dependendo do sexo, lateralidade e estado hormonal de uma pessoa.

Em linha com o raciocínio evolutivo, os conflitos territoriais, conflitos sexuais e  conflitos de separação são os principais temas de conflito associados aos órgãos de origem ectodérmica, controlados a partir do córtex sensorial, sensorial pré-motor e pós-sensorial. 

Fase de conflito ativo

A ulceração na mucosa da bexiga e/ou no revestimento da uretra ocorre proporcional ao grau e duração da atividade de conflito. 

A finalidade biológica da perda de células é aumentar o volume da bexiga e alargar a uretra para melhorar o fluxo urinário a fim de poder marcar melhor o território.

Fase de cura do conflito

Durante a primeira parte da fase de cicatrização, a perda de tecido é reposta através da proliferação celular com inchaço devido ao edema (acúmulo de líquido) na área de cicatrização. 

Na medicina tradicional, isso pode ser diagnosticado como um “câncer de bexiga” ou carcinoma urotelial, também chamado de carcinoma de células transicionais.

Baseado nas Cinco Leis Biológicas, as novas células não podem ser consideradas “células cancerosas”, pois o aumento celular, na realidade, é um processo de reposição.

Os sintomas de cura são necessidades frequentes de urinar, dor, queimação e eliminação de apenas pequenas quantidades de urina. Típica também é a sensação de necessidade constante de urinar e de esvaziamento incompleto da bexiga após a micção, uma condição denominada tenesmo da bexiga.

Com retenção de água devido à Síndrome dos túbulos coletores renais, o inchaço aumentado pode bloquear o fluxo de urina na uretra. Esta é uma situação médica aguda! Nesse caso, Dr. Hamer recomenda um cateter vesical temporário.

A crise epileptoide se manifesta como dor aguda com cãibras ou espasmos se os músculos estriados circundantes da parede interna da uretra sofrem a crise epileptoide ao mesmo tempo.

Infecção da bexiga ou Cistite

Uma infecção da bexiga (cistite) indica que o processo de reparo e cicatrização é auxiliado por bactérias.

Geralmente, esse é o caso quando a ulceração que ocorreu na fase de conflito ativo atinge profundamente o tecido uretral e da bexiga. 

“Infecções da bexiga” recorrentes apontam para recaídas de conflito desencadeadas pelo estabelecimento de um trilho que foi estabelecido quando o conflito de marcação original aconteceu.

Conclusão

Espero que você tenha compreendido sobre a Cistite ou infecção da bexiga segundo a Medicina Germânica Heilkunde.

Considerou o artigo útil? Compartilhe esse artigo para que possamos ajudar mais pessoas a terem conhecimento sobre a Medicina Germânica Heilkunde.

>>> Garanta agora mesmo: Guia definitivo da Medicina Germânica Heilkunde

Este blog é apenas um blog educativo. As informações e serviços aqui contidos não devem ser interpretados como um diagnóstico, tratamento, prescrição ou cura para a doença. Aqueles que buscam tratamento para uma doença específica devem consultar seu médico para determinar o protocolo de tratamento adequado, correto e aceito antes de usar qualquer coisa que é divulgado nesta página. O material referenciado acima reflete a convicção sincera da Dra. Marina Bernardi sobre esta nova medicina.