Agorafobia pela nova medicina

Neste artigo vou falar sobre a agorafobia, uma condição que está afetando muitas pessoas pelo mundo, principalmente com o fator externo da pandemia de COVID-19.

A agorafobia é um transtorno de ansiedade relacionado a estar em espaços abertos ou fechados, multidões ou situações desconhecidas.

Pessoas com agorafobia têm receio de sair de ambientes que conhecem e consideram seguros por medo de terem ansiedade ou um ataque de pânico.  Evitando lugares onde se sintam presas, desamparadas e fora de controle.

Conforme estudos de Dr. Hamer, a maioria das “doenças” são originadas através de um conflito biológico ( evento inesperado, traumático e vivido em solidão) que ocorre na vida de uma pessoa.

Constelação de túbulos coletores renais

A agorafobia envolve a constelação de túbulos coletores renais, que é um tipo específico de constelação do tronco cerebral, que origina-se quando ocorrem dois conflitos biológicos concomitantes com o mesmo contexto.

Mentalmente, essa constelação apresenta-se como desorientação. As pessoas nesta constelação têm um mau senso de direção e se perdem facilmente em lugares desconhecidos. 

Elas ficam intrigadas com as direções e tendem a confundir direita e esquerda. Também têm dificuldade em encontrar o caminho em grandes edifícios, como hotéis, prédios de escritórios ou aeroportos.

Dirigir em novas áreas é altamente angustiante. Estradas fechadas, sinais de desvio ou pegar a saída errada em uma rodovia os coloca em estado de pânico. 

Elas certamente não gostam de viajar sozinhas e não têm inclinação para explorar novos destinos. Quando elas precisam pegar um avião, geralmente estão no aeroporto muito antes da partida. Costumam ir direto ao portão e se sentam perto do balcão (com o cartão de embarque e passaporte na mão), sendo também as primeiras a embarcarem.

Qual é o conflito biológico relacionado aos túbulos coletores renais?

O que é agorafobia? Pela Medicina Germânica Heilkunde

O sentimento de abandono, solidão, rejeição ou conflitos existenciais geram esse tipo de conflito. A constelação de túbulos coletores renais cria uma compulsão de ficar perto de casa. 

O propósito dessa necessidade se origina-se na memória primitiva evolutiva de ser retirado do ambiente aquático e levado para a praia. A resposta instintiva de ficar parado (figurativamente falando: “perto da costa”) oferece a chance de ser pego pela próxima onda e levado de volta para casa, por assim dizer.

Esse comportamento inato é controlado pelos dois relés dos túbulos coletores renais e ativado pela constelação.

Assim, as pessoas em uma constelação de túbulos coletores renais se movem apenas dentro de um certo raio de sua casa. Quanto mais intensa a constelação, menor se torna o raio. 

Uma constelação forte pode gerar o medo de sair de casa, o medo de viajar mesmo distâncias curtas (“quando penso em entrar no carro e ir a algum lugar, sinto pânico e acho que é muito longe”), ou medo de transporte público (afastando-se da base), gerando a condição agorafobia.

O medo é, essencialmente, uma ansiedade de não poder voltar para casa que se origina de um anterior abandono, existência ou conflito de refugiados experimentado como sendo “lançado no deserto”.

Sendo que o tratamento para agorafobia deve incluir a abordagem da origem dos conflitos de abandono, de existência ou refugiados.

Conclusão

Espero que você tenha compreendido sobre agorafobia pela Medicina Germânica Heilkunde.

Considerou o artigo útil? Compartilhe esse artigo para que possamos ajudar mais pessoas a terem conhecimento sobre a Medicina Germânica Heilkunde.

>>> Garanta agora mesmo: Guia definitivo da Medicina Germânica Heilkunde

Este blog é apenas um blog educativo. As informações e serviços aqui contidos não devem ser interpretados como um diagnóstico, tratamento, prescrição ou cura para a doença. Aqueles que buscam tratamento para uma doença específica devem consultar seu médico para determinar o protocolo de tratamento adequado, correto e aceito antes de usar qualquer coisa que é divulgado nesta página. O material referenciado acima reflete a convicção sincera da Dra. Marina Bernardi sobre esta nova medicina.