De acordo com a Germânica Heilkunde existem doenças de origem genética? Sabemos que a teoria da origem genética das doenças é uma das doutrinas mais firmemente estudadas na medicina atual.

Modelado após o Projeto Genoma Humano, o International Cancer Genome Consortium foi criado para coordenar o seqüenciamento do genoma do câncer em larga escala.

O objetivo do projeto, conforme declarado por Dr. Mike Stratton, do Projeto Genoma do Câncer, é que “ao identificar todos os genes do câncer, seremos capazes de desenvolver novos medicamentos direcionados a genes mutantes específicos e saber quais pacientes se beneficiarão com esses novos tratamentos”.

Cientistas britânicos encontraram 23.000 mutações em casos de câncer de pulmão. Curiosamente, eles também descobriram que nem todas essas mutações causam câncer. Diz-se que mutações nos genes BRCA1 e BRCA2 aumentam o risco de uma mulher ter câncer de mama.

Sob o pretexto de ciência preventiva, são recomendadas medidas “inovadoras”, como “mastectomias preventivas para câncer de mama”, com o objetivo de reduzir a chance de desenvolver o câncer. Isso é muito preocupante e sabemos que vários artistas famosos já estão fazendo esse procedimento.

A Genética e a Hereditariedade segundo a Germânica Heilkunde

Doenças Genéticas de acordo com a Germânica Heilkunde

De acordo com a Germânica Heilkunde e pesquisas de Dr. Hamer, devemos levar em consideração o ambiente para que se origine o que se chama de doença.

Além da predisposição genética existente, deve ocorrer um conflito inesperado e traumático, que conhecemos por DHS ou síndrome de Dirk Hamer.

O choque de conflito que catalisa o que chamamos de doenças, ou também como as mudanças funcionais.

Bruce H. Lipton, biólogo de células-tronco, autor de best-sellers de The Biology of Belief e ganhador do Prêmio de Paz Goi 2009, lançou a seguinte frase:

“Quando há algo de errado com as células que estudamos, devemos analisar primeiro o ambiente em que elas se encontram e não apenas as células para descobrir a causa do problema.”

Teoria Epigenética

Estudos na ciência da Epigenética mostram que os genes não são de modo algum “imutáveis”, mas que eles podem se alterar em resposta ao ambiente de uma pessoa.

Ou seja, o DNA, e com isso a biologia de um organismo, estão constantemente se ajustando a sinais de fora das células, incluindo informações energéticas decorrentes de pensamentos e crenças.

Com base nesse novo modelo, os epigeneticistas são da opinião de que doenças como o câncer não são causadas por genes defeituosos, como reivindicam os geneticistas tradicionais, mas sim, por fatores não genéticos que alteram a expressão de genes sem alterar a sequência de DNA.

Assista a aula sobre Genética e a Hereditariedade segundo a Germânica Heilkunde:

https://www.youtube.com/watch?v=KMZqxWk2oHQ

A grande descoberta de Dr. Hamer

A descoberta inovadora de Dr. Hamer de que doenças não são distúrbios sem sentido, mas na realidade são processos biológicos significativos tentando salvar um organismo em vez de destruí-lo, foi uma grande quebra de paradigma dentro da medicina.

Segundo Dr. Hamer, as doenças não são “erros” da natureza, mas sim são Programas Especiais Biológicos da natureza, criados para apoiar um indivíduo durante um sofrimento emocional.

Dr. Hamer foi o primeiro a investigar a causa de doenças, levando o cérebro em consideração. O cérebro controla todos os processos do corpo.

Ao comparar a tomografia computadorizada do cérebro de seus pacientes com seus registros médicos e suas histórias pessoais, ele descobriu que um trauma emocional ou “choque de conflito” (DHS), deixa uma marca visível precisamente na mesma área do cérebro que controla a processo de doença.

Com base no estudo de dezenas de milhares de casos, o médico descobriu que a psique, o cérebro e o corpo constituem uma unidade biológica, codificada em Programas Especiais Biológicos, para garantir a nossa sobrevivência.

Dr. Hamer estabeleceu que o cérebro atua como mediador entre a psique e o corpo, com funções de recepção e transmissão. Ele identificou o cérebro como a estação de controle biológico de onde esses programas de emergência seculares são direcionados e coordenados.

Então, por exemplo, levando em consideração que você está atendendo um paciente com diabetes, que tem esse histórico de doença na família, devemos olhar o comportamento do paciente e descobrir o que gerou um “conflito de resistência” em sua vida, não levando somente em consideração a sua genética.

Conclusão

Espero que você tenha compreendido sobre como a Germânica Heilkunde enxerga a questão da genética e hereditariedade.

Considerou o artigo útil? Compartilhe esse artigo para que possamos ajudar mais pessoas a terem conhecimento sobre a Nova Medicina Germânica.

Quer ter um maior conhecimento da Germânica Heilkunde? Participe da nossa próxima turma Germânica Heilkunde Formação Online.

Este blog é apenas um blog educativo. As informações e serviços aqui contidos não devem ser interpretados como um diagnóstico, tratamento, prescrição ou cura para a doença. Aqueles que buscam tratamento para uma doença específica devem consultar seu médico para determinar o protocolo de tratamento adequado, correto e aceito antes de usar qualquer coisa que é divulgado nesta página. O material referenciado acima reflete a convicção sincera da Dra. Marina Bernardi sobre esta nova medicina.

Summary
A Genética e a Hereditariedade segundo a Germânica Heilkunde
Article Name
A Genética e a Hereditariedade segundo a Germânica Heilkunde
Description
De acordo com a Germânica Heilkunde e pesquisas de Dr. Hamer, devemos levar em consideração o ambiente para que se origine o que se chama de doença. Além da predisposição genética existente, deve ocorrer um conflito inesperado e traumático, que conhecemos por DHS ou síndrome de Dirk Hamer. O choque de conflito que catalisa o que chamamos de doenças, ou também como as mudanças funcionais.
Author
Publisher Name
Germânica Heilkunde - Marina Bernardi
Publisher Logo