A anemia sob a visão da Medicina Germânica

Anemia sob a visão da Medicina Germânica

A anemia é um problema de saúde pública que traz sérias consequências para a saúde humana. De acordo com a Organização Mundial de Saúde estimou-se que a anemia afeta bilhões de pessoas por todo o mundo. Conhecer e identificar a causa deste problema torna-se essencial para ajudar seu paciente a superar a anemia e viver de forma saudável.

O que é anemia?

Segundo a Medicina Tradicional, anemia caracteriza-se pela diminuição de hemoglobina no sangue resultando na carência de um ou mais nutrientes no organismo. Tende-se a relacionar a anemia, na maioria dos casos, com a deficiência de ferro associada aos seguintes sintomas: pele pálida, fadiga generalizada, apatia, menor disposição para o trabalho, falta de apetite, falta de ar, tontura, mãos e pés frios, dificuldade de aprendizagem nas crianças entre outros.

Outra forma de entender a anemia é através da Medicina Germânica que, através de milhares de estudos de casos, comprova que para cada doença existe um conflito relacionado. Neste artigo, você entenderá o conflito relacionado a anemia e como poderá ajudar seu paciente a previnir e curar a anemia.

Qual conflito está relacionado a anemia? 

Através de anos de estudos de casos, Dr.Hamer comprovou que sempre que os pacientes chegavam com a queixa de alguma doença existia um histórico anterior em que o paciente tinha passado por uma situação inesperada, dramática e em solidão e que ativou um conflito biológico manifestando, por exemplo a anemia em seu organismo.

O conflito relacionado a anemia é um conflito de auto-desvalorização resultado de situações onde a pessoa se sente incapaz de realizar algo, ou é obrigada a fazer algo que não quer. Vamos citar aqui situações genéricas que podem levar a esse quadro, por exemplo:

  • Humilhação.
  • Abusos fisico, sexual ou verbal.
  • Fracasso no trabalho, escola, esportes, relacionamento.
  • Pouco rendimento intelectual, artístico, atlético.
  • Sentimento de vergonha e culpa.
  • Perda de status.
  • Perda de emprego.
  • Aposentadoria.
  • Limitação em não fazer o que deseja ou fazer algo que não gostaria de fazer. 

Crianças e idosos são mais vulneráveis para ativar este conflito e, por consequência,  ficaram anêmicos. Por exemplo, uma pessoa que está envelhecendo pode começar a acreditar que está ficando inútil, que não é mais necessária para sua família, seu parceiro ou até para sociedade. Ou uma criança pode achar que é um fracasso na escola que nunca irá ser melhor e se destacar.

Nos casos da anemia ferropriva, baixo nível de ferro no organismo, o conflito de desvalorização ocorre por não poder fazer o que deseja ou por ter que fazer algo que não gostaria de fazer. Por exemplo, uma pessoa que quer mudar de emprego ou de casa mas sente-se impotente ou incapaz de mudar e sair da situação atual em que se encontra.

Percebemos aqui que a forma que a pessoa percebe a si mesma criará uma predisposição mental para ativar o conflito da auto-desvalorização.

Como evitar a anemia? Vamos analisar um caso real.

É preciso Identificar em qual situação da vida do paciente ele sente a auto-desvalorização para acessar a causa do problema e, consequentemente, resolver a anemia.

Vejamos este exemplo, imagine um paciente que vive infeliz dentro da sua própria casa pois ela está deteriorada e precisa de uma reforma geral porém, ele não tem condiçōes fazer a reforma. A frustração de estar diante de uma realidade que ele não pode mudar e ter que permanecer vivendo naquele ambiente que o incomoda o faz sentir incapacitado e acaba por adoecê-lo. Este paciente vai ao hospital e é diagnosticado com anemia ferropriva e recebe uma prescrição de doses diárias de ferro. Após um mês, mesmo tomando a medicação, as taxas de hemoglobina ainda continuam baixas. O paciente então resolve passar um tempo na casa do seu filho onde recebe muito cuidado e amor. Esta mudança de ambiente, estando distante da casa onde mora e se considera infeliz, faz muito bem para ele e, consequentemente, a hemoglobina volta a normalizar no organismo e o paciente, finalmente, fica curado.

Percebemos neste caso que o remédio com ferro não causou o efeito desejado, mas sim a mudança de ambiente. O grande segredo aqui para a resolução deste problema é o histórico do paciente que estava morando em uma ambiente que o incomodava, uma casa que ele queria reformar mas não podia, sentindo-se fracassado e impotente diante daquela situação. Ao passar uns dias com seu filho recebendo carinho, atenção e mudando de ambiente, esses novos “ares” fizeram o paciente se sentir melhor consigo mesmo e, portanto, o conflito foi resolvido fazendo com que seu organismo voltasse à normalidade.

Conclusão:

A Medicina Germânica quebra todos os paradigmas relacionados a saúde e traz uma nova visão que se aprofunda na real causa das doenças. O que chamamos de doença, na verdade, é um programa biológico ativado pelo nosso organismo na intenção exclusiva de nos ajudar. Quando seu paciente apresenta alguma queixa é apenas o seu corpo mandando um aviso de que existe algo em sua vida que precisa ser visto, acolhido e resolvido. Esta é a missão de todos nós profissionais da saúde, ajudar nosso paciente a identificar seus conflito, confiar em seu corpo para se curar e viver uma vida plena de saúde.

Gostou do artigo? Compartilhe com outros profissionais da saúde ou com um amigo querido que poderá ajudar.

Conheça ainda mais a Germânica Heilkunde através do nosso ebook:

Nova-medicina-germanica-pdfEste blog é apenas um blog educativo. As informações e serviços aqui contidos não devem ser interpretados como um diagnóstico, tratamento, prescrição ou cura para a doença. Aqueles que buscam tratamento para uma doença específica devem consultar seu médico para determinar o protocolo de tratamento adequado, correto e aceito antes de usar qualquer coisa que é divulgado nesta página. O material referenciado acima reflete a convicção sincera da Dra. Marina Bernardi sobre esta nova medicina.