Entenda a Síndrome do Gêmeo Desvanecido e os Sintomas de Tristeza

Síndrome do Gêmeo Desvanecido

Com o aprimoramento constante da tecnologia pode-se observar e acompanhar o desenvolvimento de um bebê no útero da mãe com detalhes riquíssimos.

Esse acompanhamento embrionário e fetal revelou descobertas significativas sobre a gravidez múltipla, dentre elas descobriu-se a Síndrome do Gêmeo Desvanecido ou Desaparecido.  Mas o que seria essa Síndrome? É o que vamos ver ao longo deste artigo, mas antes temos que entender como se dá o vínculo entre irmãos gêmeos no ventre.

A relação entre irmãos gêmeos ainda no útero materno.

Na gravidez de gêmeos eles brincam, abraçam, empurram, interagem e comunicam um com o outro durante todas as fazes da gestação. A forma que esse vínculo se estabelece, segundo estudos, poderá determinar a forma que irão interagir, também, com o mundo após o nascimento.

A relação dos bebês é tão grande que, na Inglaterra, teve um caso de gêmeos que salvaram a vida um do outro. A mãe dos bebês descobriu que eles estavam dividindo o mesmo saco amniótico e, portanto, correndo risco de vida se um deles ou ambos se movessem porque enrolaria os cordões umbilicais cortando a fonte de alimento e oxigênio.

Através da ecografia observou-se que eles ficaram, durante toda a gravidez, quietos, abraçados e, detalhe, de mãos dadas ajudando um ao outro. Através desta relação de amor, os bebês se salvaram e nasceram perfeitamente saudáveis.

Com a constatação de que a interação e vínculo entre os irmãos gêmeos são extremamente fortes e se apresentam ainda no útero materno, pode-se melhor entender a Síndrome do Gêmeo Desvanecido e como ela pode afetar a vida do bebê.

O que é a Síndrome do Gêmeo Desvanecido? 

Ecografias revelaram ser possível, durante a gravidez de gêmeos, que um dos fetos “desvaneça”, ou seja, que desapareça podendo ser absorvido ou expelido pelo próprio útero.

Nesses casos, muitas vezes, nem mesmo a mãe sabe que ela pode ter perdido um dos filhos porém, essa perda pode ficar marcada para sempre na vida do seu irmão gêmeo sobrevivente.

O que é mais intrigante é que, mesmo sem lembrar conscientemente do ocorrido, o irmão que sente a perda do outro poderá apresentar uma mágoa inconsciente que trará consequências emocionais ao longo da sua vida.

“A morte e ‘desaparecimento’ de um gêmeo, também conhecido por Síndrome do Gêmeo Desvanecido, ocorre pelo menos uma vez em cada oito casos de gravidez múltipla, sendo que o acontecimento pode perfeitamente passar desapercebido pela mãe ou pelo médico obstetra”.Charles Blokage, médico do Departamento de Pediatria na Broody School of Medicine e professor de Biologia na East Carolina University.

A psicologia pré-natal já confirmou que o desenvolvimento do bebê dentro do útero vai além do físico e que deve-se considerar as experiências e as explorações deste bebezinho durante todas as fases da gestação.

Toda a vida intrauterina faz parte da formação da vida afetiva e emocional do bebê, ou seja, qualquer possível trauma que ele sinta no início da sua existência poderá interferir em sua vida e, possivelmente, gerar futuros problemas psicológicos.

Desta forma, como a  vida desde a sua origem na fase uterina exerce grande influência na formação da personalidade, o gêmeo sobrevivente merece uma atenção e cuidado especial em relação aos sintomas que pode desenvolver durante toda a sua vida.

Vejamos agora quais sintomas mais comuns se apresentam no gêmeo sobrevivente.

Síndrome do Gêmeo Desvanecido: Sintomas mais comuns.

Althea Hayton dedicou longos anos de sua vida ajudando gêmeos sobreviventes a lidar com a sua perda, conheceu inúmeros sobreviventes e suas histórias de vida.

Ela, além de escrever vários livros sobre esta temática, ainda desenvolveu um questionário para ajudar toda e qualquer pessoa a verificar se ela se enquadra nesta Síndrome. Este questionário foi uma das principais ferramentas de pesquisa usada por Althea para criar um perfil psicológico de sobreviventes de gêmeos no útero.

Durante este honroso trabalho, Althea Hayton pesquisou inúmeras pessoas ao redor do mundo comprovando e identificando sintomas semelhantes entre os gêmeos sobreviventes. Este estudo revela que a perda do irmão, mesmo numa fase tão curta de vida, irá acompanhar o sobrevivente até a fase adulta apresentando determinadas características que se aplicam à várias situações psicológicas dolorosas.

Vejamos agora quais são os sintomas mais comuns que foram registrados através desta pesquisa:

  • Sentir-se angústiado
  • Sentimento de abandono precoce
  • Sensação de Perda
  • Insatisfação com a vida
  • Sentir-se rejeitado
  • Falta de pertencimento, desadequação permanente face ao mundo
  • Sentir-se nostálgico
  • Sentir a dor dos outros como se fosse a própria
  • Presença de amigos imaginários durante a infância
  • Medo do escuro

Como ajudar o gêmeo sobrevivente? 

O site wombtwin, especializado em gêmeos sobreviventes ao redor do mundo, sugere “04 passos” para a cura da Síndrome do Gêmeo Desvanecido. Vamos entender cada um deles!

1. Decida-se

O primeiro passo para a cura é identificar se você é ou não um gêmeo sobrevivente. Caso seja, procure entender exatamente o que aconteceu, buscando mais informaçōes sobre a  Síndrome do Gêmeo Desvanecido. Este é o início do processo de cura.

 2. Sua história do ventre

O segundo passo é tentar reconstruir a própria história no útero. Entrar em contato com a sua história ajuda a colocar tudo em perspectiva, não apenas a breve vida que já teve com o irmão gêmeo mas, também, observe como se sente hoje e como era quando você era criança. Ler relatos pessoais de outros sobreviventes o ajudará a se sentir normal e ver que não está sozinho nesta caminhada.

3. O sonho do ventre

Psicoterapeutas pré-natais sustentam que as experiências no útero e em torno do nascimento deixam algum tipo de impressão na mente do feto que permanece ao longo da vida. Essas impressões são atemporais, pois não há senso de tempo ou cronologia no útero. Eles são sem forma, pois são formados antes que o funcionamento cognitivo esteja plenamente desenvolvido. Eles estão confusos, porque não há contexto dentro do qual possam ser compreendidos. Eles não podem ser descritos como “memórias” exatamente, então chamou-se essa mistura de impressões, sentimentos, crenças e atitudes vagas como o “Sonho do Ventre”.

Procure descobrir o máximo que puder à respeito da gestação para auxiliar na compreensão dos detalhes do  “Sonho do Ventre” como, por exemplo:

O gêmeo era idêntico ou não?

– Quanto tempo o gêmeo sobreviveu antes da morte?

O processo de auto entendimento não pode ser completo sem alguma tentativa de desvendar os detalhes do próprio “Sonho do Ventre”.

4. O caminho de cura

O caminho de cura pode ter começado rapidamente e depois desacelerado, ou talvez ainda não tenha começado. Qualquer que seja a taxa de progresso, certifique-se de não apressar este caminho e, se necessário, refazer cada passo. Gradualmente, o “Sonho do Ventre” ficará mais claro e lúcido. A cura virá somente quando estiver pronto e não antes disso.

Conclusão

Vimos que o bebê tem uma vida emocional e se comunica dentro do útero da mãe e, em casos de gravidez múltiplas, ele ainda estabelece vínculos com seu irmão. Devido a estes vínculos é necessário atentar-se em caso de perda de um dos gêmeos, ainda no útero, pois pode-se causar traumas e consequências psicológicas durante toda a vida do sobrevivente.

É necessário ter o conhecimento destes sintomas e entender a Síndrome do Gêmeo Desvanecido para se auto ajudar ou ajudar alguém a quem você ama.

Gostou do artigo? Compartilhe com outros profissionais da saúde ou com um amigo querido que poderá ajudar.

Eu tenho um presente para você! Este Guia prático te ajudará a identificar e mudar comportamentos nocivos para transformar sua vida à partir de agora. Baixe gratuitamente o seu Guia Mudança de Padrão de Comportamento: 

Guia-Mudanca-Comportamento-Marina-Bernardi

Este blog é apenas um blog educativo. As informações e serviços aqui contidos não devem ser interpretados como um diagnóstico, tratamento, prescrição ou cura para a doença. Aqueles que buscam tratamento para uma doença específica devem consultar seu médico para determinar o protocolo de tratamento adequado, correto e aceito antes de usar qualquer coisa que é divulgado nesta página. O material referenciado acima reflete a convicção sincera da Dra. Marina Bernardi sobre esta nova medicina.